domingo, 20 de novembro de 2011

Relicário









Aleijadinho
Busto Relicário de Santo Atanásio, 1760-1774
madeira policromada e dourada





Faz tanto tempo...
Que eu não sorria
Ou perceber os raios do sol,
Em pleno esplendor do dia!
E fazer renascer em mim,
O que outrora morria.
De ver de novo a esperança
Brotar, sem medo, em cada dia!
E de não haver mais a tristeza,
Entranhada num rosário da vida...
Como num relicário póstumo!
Feito um distraído Santo,
Perdido em qualquer canto:
Com um pecado mortal,
Tendo o seu eterno amor
Guardado, canônico em nostalgia!


Imagem do Relicário:
http://www.revistamuseu.com.br/emfoco/emfoco.asp?id=10657








2 comentários:

  1. Ana Maria Rodrigues21 de novembro de 2011 04:15

    Muita sensibilidade...gosto!

    ResponderExcluir
  2. Decifra-me em uma pujante cadência que sobremaneira me carecia! bjs!

    ResponderExcluir